seja bem-vindo!

bem-vinda ao blog da cristine torchia - ateliê lua azul. divirta-se e aproveite.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

#recordaçoes2017 #megaartesanal10anoscristinetorchia #megaartesanal #FESTA

#comemoraçoes2017 #atelieluaazul #cristinetorchia
ano especial e cheio de festas, memorias, lembranças e muita #GRATIDAO
10 anos de #megaartesanal!!! e passam muito rapido!
2007 - no primeiro ano fui chamada pra ser prof da Glitter Indústria (equipe com a qual aprendi muito e respeito demais)
2008 - no segundo ano – prof da glitter e da brascola
(tenho muita saudade da Brascola Ltda. no mercado artesanal. produtos nota 10!!!)
2009 - no terceiro coordenei a entrada da santa fe na mega – com muuuuito sucesso (montei uma equipe que muito me orgulhou e fiz amigas que continuam comigo até hj - Cristiane Czernysz LombardiLúcia HiguchiLuciana PumputisElaine LlamasPriscila Cunha e outras queridas...
2010 - no quarto fui coordenadora da Estilotex e da Najar
(muita correria, muita coisa linda, muito aprendizado e muitas companheiras talentosas)
2011 – no quinto coordenei a najar e a Fernando Maluhy Tecidos (no senac) ao mesmo tempo. kkkkkkkk foi mega trabalho e mega satisfação!
além de ampliar e enriquecer a parceria com a Entretela Dupla Face Teclabel (hj conhecida e reconhecida por tannnntas profissionais e pelo grande publico do artesanato brasileiro)
2012 – no sexto coordenei a fernando maluhy no senac e fizemos parceria com a Janome do Brasil na mega.
2013 – REcomecei a voltar meu foco pro meu trabalho autoral/individual/artistico... dei aula na We Care About, na glitter, na santa fe e coordenei a Panoah Tecidos Adesivos (foram muitas emoções artesanais e ampliei minhas amigas/professoras/companheiras - Angela GarciaIone BerneFabiane GuimarãesAtelier Donna Abóbora)
2014 – fiz a expo do meu projeto (que começou em 2013) – #retalhosdavida – bordados de memorias E a expo #cadeiralinda (com premiação e parceria da Coats Corrente Brasil - Tanya-Caren CambricoliMara Cristina LaviaRosangela SilvaKarol Navas e mais!) - foi uma lindeza geral!!!
fui curadora do Ateliê Centauro - que tambem foi mega legal!
vieram as companheiras preciosas Veri Verusca AmaralLeandra MilanezziJackie FonsecaMárcia BergantinCristina Dos Santos e muito mais.
conheci companheiros impares - Moacir FeldenheimerLeandro ArantesRenara RochaTatiana Bonumá... ai que saudade de vcs!
2015 – fiz a expo do projeto #AGUAfontedavida com parceria da #coats e muito mais! conversamos sobre muitos assuntos importantes e os trabalhos foram linnnndos - nuvens pra todo lado e o lançamento dos meus tecidos #fernandomaluhy (estouro de vendas e fofurices que vejo até hj pra todo lado)
2016 – começamos o projeto #artesanatoTERAPIA + #terapiadosfios - que continua... me enche de orgulho e satisfação (pois fala muito mais ao coração, atinge o bem estar que tanto precisamos e aprofunda os conhecimentos que tenho, admiro e busco viver e compartilhar)
os parceiros foram nota 10 e valiosos - EnovelarPingouin Fios, Coats, Circulo, Fios Purafibra e muito mais!
2017 – FESTA – comemoração 10 anos cristine torchia na mega artesanal. obaaaaaaaaaaaaa!
Círculo S/A - Fernanda WieserOsni De Oliveira Junior - vem juntinho e nós adoramos demais!
estão todos convidados a virem dar aquele abração de festa, de carinho, de alegria, de solidariedade, de amor aos artesanatos brasileiros e aos talentos nota 10!
Rita MazzottiRita Paiva e equipe Wr São Paulo, #gratidao é a palavra que vem lá do fundo do ❤️!!! vamos que vamos!







 













segunda-feira, 5 de junho de 2017

o que é ARTESANATO e ARTESÃO

MENINAS, o texto é grande... MAS DEVE SER LIDO POR TODOS aqueles que dizem amar o #artesanato, pois amar é conhecer e lutar por... não é?
IMPORTANTISSIMO!!!
DESIGN + ARTESANATO
O caminho brasileiro
DE QUE ARTESANATO ESTAMOS FALANDO
Adélia Borges
Professora: Maria do Carmo Curtis
Diagramação: Amanda Griebeler
Antes de entrar propriamente na questão de aproximação ente artesanato e design no Brasil, é necessário definir
o que se entende por artesanato. Vários livros de design em nosso país começam por apresentar os significados
dessa palavra, tão falada ultimamente quanto mal compreendida. Eu mesma não fugi à regra e já no primeiro
texto de meu livro Designer não é personal trainer apresento e discuto os significados da palavra. Outros abordam
o com muita competência. Creio, assim, que não ser necessário aborrecer o leitor com mais uma digressão.
No entanto gostaria de deixar claro qual o significado da palavra artesanato que estamos adotando nesta publicação.
Trata-se da definição adotada pela Unesco em 1997: “Produtos artesanais são aqueles confeccionados por
artesãos, seja totalmente a mão, com o uso de ferramentas ou até mesmo por meios mecânicos, desde que a contribuição
direta manual do artesão permaneça como o componente mais substancial do produto acabado. Essas
peças são produzidas sem restrições em termos de quantidade e com o uso de matérias-primas de recursos sustentáveis.
A natureza especial dos produtos artesanais deriva de suas características distintas, que podem ser
utilitárias, estéticas, artísticas, criativas, de caráter cultural e simbólicas e significativas do ponto de vista social”.¹
Essa definição está a anos-luz em consistência das outras corriqueiramente disponíveis, certamente devido à
atuação daqueles órgãos das Nações Unidas em vários programas de artesanato em países em desenvolvimento
nas ultimas décadas.
Como em todas as áreas, uma consulta ao dicionário pode ser reveladora. Na acepção de artesanal convivem
desde as nações de habilidade manual e apuro técnico – em alguns casos tocando o conceito de “arte” – até rusticidade
e ausência de sofisticação. No Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ² por exemplo, artesanal é aquilo
que é “relativo a ou próprio de artesão ou artesanato” ou, no sentido figurado, “diz-se das coisas feitas sem muita
sofisticação, rústico”.
No Grande Dicionário Larousse Cultural da Língua Portuguesa, ³ artesanal é: “adj. 1. Relativo ao artesão ou ao
artesanato. 2. Que é elaborado segundo os métodos tradicionais, individuais. 3. Que é feito através de meios rudimentares,
às vezes sem qualquer método; que apresenta feitura grosseira”. Essa conotação depreciativa, presente
nos dicionários em português, não aparece nos dicionários em outras línguas que consultamos. Em alguns deles
aparece justamente o conceito contrário. No The Concise Oxford Dictionary of Current English, a palavra craft
aparece como um substantivo e, em seguida, como um verbo, cujo significado é “fazer de maneira habilidosa (criar
um poema; uma obra bem feita)”.
Um conceito que não aparece nos dicionários brasileiros e está presente em alguns estrangeiros é o do artesanato
como uma área de atividade que requer qualificação profissional e treinamento específico. Por exemplo, no Le
Grand Robert de la Langue Française, a palavra artizan é descrita desta forma: “n. 1546, artizan; do ital. Artigiano,
4
5
DESIGN + ARTESANATO
O caminho brasileiro
DE QUE ARTESANATO ESTAMOS FALANDO
Adélia Borges
Professora: Maria do Carmo Curtis
Diagramação: Amanda Griebeler
de arte <art>, lat. ars. 1. Aquele, aquela que exerce uma
técnica tradicional, uma ocupação manual que exige qualificação
profissional, e que trabalha por conta própria, frequentemente
com a ajuda da família, de companheiros, de
aprendizes, etc. (...) 2, (Até o séc. XVIII). Artigo. Pessoa que
pratica uma arte, uma técnica, até mesmo estética (este uso
acumula os sentidos de artesão [1. artisian] e de artista) (...).
3. Fif. Autor, pessoa que é causa de (uma coisa, uma situação,
uma condição), com uma ideia de perseverança, de paciência
(...)”.
Oleiros do Cabo de Santo Agostinho, em Pernanbuco,
reunidos pelo programa O Imaginário.
Foto: Vinícios Lubambo
Certamente seria interessante prosseguir uma
análise disso, pois dicionários são indícios das
visões da sociedade, em determinada época, a
respeito de determinado assunto. O preconceito
contra o artesanato - tantas vezes usado para
designar algo sem valor, diante dos valores
absolutos da Arte como A maiúsculo - certamente
reflete uma visão da sociedade que desvaloriza
o que vem como camadas subalternas e
reconhece previamente a produção de elite.
Aprofundar essa análise, contudo, fugiria ao escopo
deste trabalho.
O que é importante deixar claro aqui é que, quando falamos de artesanato neste livro, estamos nos referindo a
uma atividade que vimos disseminada por todo o Brasil e também por países da América Latina, de objetos que
são feitos em geral coletivamente (por grupos familiares e/ou de vizinhança) e que são ou podem ser reproduzidos
em série. Os objetos são projetados a partir de premissas habitualmente atribuídas ao design, como atendimento
a determinada função de uso, a partir do emprego de determinadas matérias-primas e determinadas
técnicas produtivas. As técnicas podem ter sido transmitidas por gerações da mesma família ou habitantes mais
velhos de uma comunidade ou podem ter sido “inventadas” recentemente por uma ou mais pessoas. Muito raramente
essas técnicas foram aprendidas na escola, mesmo nos casos em que os grupos artesanais pertencem à
classe média.
Essa caracterização é radicalmente diferente daquela que se entende por craft em outros países, em que as
técnicas são aprendidas em cursos universitários e são exercidas primordialmente por pessoas instruídas que
veem na atividade uma forma de auto-expressão - o que as aproxima mais da arte do que do design. Não são pe-
ças feitas em série, quando muito em séries limitadas, e em geral têm altos preços, compatíveis aos de obras de
arte. Essa visão é disseminada não só em países do hemisfério norte, como Holanda, Finlândia e Inglaterra. Na
Austrália, por exemplo, predomina essa visão. O Dictionary of Business and Management mostra bem isso, ao definir
craft como “uma ocupação manual que requer treinamento extenso, geralmente incluindo estágio como
aprendiz e alto nível de habilidade (por exemplo carpintaria, conhecimento em hidráulica operação de linotipo)”.
A realidade brasileira é próxima da que é possível encontrar em outros países da América Latina. Talvez seja
próxima também daquela de países africanos e da Índia, mas me faltam elementos para poder avançar em uma
comparação. Outro ponto a ser levado em conta é que muitos artesãos - melhor dizer artesãs, pois a grande
maioria é de mulheres - dividem essas atividades com outras. Nas áreas rurais, ela é intercalada com a agricultura.
Nos pequenos povoados e nas periferias, persistem os “bicos”, como montar uma pequena barraca com comida
numa quermesse ou festa popular local. Alguns homens dividem seu tempo, ainda, entre trabalho como
pedreiros e o artesanato.
6
Vou me abster também a respeito do que diferencia
os vários tipos de artesanato, bem como
distinguir o que é arte popular. Num terreno
em que grassa a confusão terminológica, outros
autores têm feito isso com muita competência,
entre os quais se distinguem Ricardo Gomes
Lima, Júlio Katinsky e a dupla Lia Mônica Rossi
e José Marconi (ver indicações de texto em
bibliografia).
Além disso, a meu ver em muitos casos as
classificações em profusão mais confundem do
que esclarecem. Como diz Ricardo Lima: “(...)
alguns dizem que a louceira e a tecelã fazem
arte folclórica ou artesanato tradicional ou arArtesãs
da região da Lagoa dos Patos, Rio Grande do Sul:
classe média empreendedora.
Foto: Lucas Moura
Artesãos do Jalapão, Tocantis: o brilho de um capim que só existe na região.
Foto: Francisco Moreira da Costa/CNPCP
tesanato cultural ou artesanato de raiz. Se Benita se aventura um pouco mais e, deixando de lado a produção de
louça utilitária, modela alguns boizinhos, cavalos, patos e galinhas para brinquedo dos filhos, alguns dirão que
ela faz arte popular muitos consideram que a professora aposentada participa deste primeiro grupo quando
costura bonequinhas de pano mas que, já ao se dedicar à confecção de panos de prato, junta-se à vendedora do
shopping fazendo trabalho manuais ou manualidades. Para outros, porque ao confeccionar os ímãs de porcelana
fria esta última utiliza moldes e produz objetos em série, o termo que melhor se aplicaria seria industrianato,
isto é, misto de indústria e artesanato; já o expositor da praça, segundo alguns, faz artesanato hippie, o joalheiro
produz design contemporâneo e o pintor e a escultora produzem arte erudita ou arte contemporânea ou a verdadeira
arte, ou simplesmente arte, separados de todos os demais. Quantos termos, quantas classificações!”
Se a contemporaneidade dilui as fronteiras entre as áreas do conhecimento e atividades em geral, o fez mais
ainda naquelas que, por natureza, têm múltiplas facetas, como o artesanato e o próprio design. Nelas, as tipologias
se interpenetram e variam muito de um caso para o outro, escapando ao olhar cartesiano que, aqui seria
uma forma de aprisionamento.
Na mira do nosso olhar está do artesanato de raiz, mais marcado pela tradição, ao recém-inventado, em técnicas
e materiais diversos, todos eles praticados coletivamente por comunidades artesanais. Ao abordar a prática
artesanal que envolve faixas significantes da população, interessa-nos trazer à luz a união entre ética e estética
que esta em jogo nessas experiências, as quais podem ser incluídas dentro de um fenômeno mais amplo de inovação
social.
Socorro da Conceição, mestra na confecção de bonecas de pano de Esperança,
Paraíba, divide seu tempo entre o artesanato e a lida na roça.
Foto: Celso Brandão
NOTAS:
1. Definição adotada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no
International Symposium on Crafts and International Markets, Manila, Filipinas, outubro de 1997.
2. Dicionário Houaiss da Lingua Portuguesa. Rio de Janeito 2007.
3, Grande Dicionário Larousse Cultural da Lingua Portuguesa. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
4. “make in a skilful way (crafted a poem; a well-crafted piece of work).” The Concise Oxford Dictionary of Current
English. Oxford: Clarendon Press, 1990.
5. “n.1546, artizan; de I’ital. Artigiano, de arte <art>, lat. ars. 1. Celui, celle qui exerce une technique tradiotionnelle,
un métier manuel demandant une qualificantion profssionnelle, et qui travaille pour son propre compte, aidé
souvent de la famille, de compagnons, d’apprentis, etc. (...) 2. (Jusqu’au XVIIIe). Anciennt. Personne qui pratique
un art, une technique, même esthétique (cet emploi cumule les sens de artisan [1. artisan] et de artiste) (...). 3. Fig.
Auteur, personne qui est la cause de (une chose, une situation, une condition), avec une idée de persévérance, de
patience (...).” Le Grand Robert de la Langue Française. Dictionnaire Alphabétiwur et Analogique de la Langue
Française, Deuxième Edition.
6. “a manual occupation that requires extensive training, usually including apprenticeship, and a high degree of
skill (e.g. carpentry, plumbing, linotype operation.” Dictionary of business and management (second edition).
Austrália, 1983.
7. LIMA, Ricardo Gomes. Artesanato e arte popular: duas faces de uma mesma moeda?
http://www.cnfcp.gov.br/…/CNFCP_Artesanato_Arte_Popular_Gom…






façam parte das nossas turminhas

facebook cristine torchia - https://www.facebook.com/cris.torchia
facebook fan page ateliê lua azul - https://www.facebook.com/atelie.lua.azul
instagram cristorchia - http://instagram.com/cristorchia
pinterest cristorchia - http://www.pinterest.com/cristorchia/
flickr cristorchia - http://www.flickr.com/photos/cristorchia/
twitter @cristorchia - https://twitter.com/cristorchia
blog ateliê lua azul - http://cristorchia-luaazul.blogspot.com.br/
youtube cristorchia - http://www.youtube.com/user/cristorchia

facebook fan page inspira arte - https://www.facebook.com/inspira.arte.cria.arte 



quinta-feira, 13 de abril de 2017

#2017recordaçoes #recordaçoescristinetorchia2017 - comemorações e lembranças pessoais e profissionais! parte 1

ola, meninas.

dando andamento ao ano de comemorações e recordações (ja comentei que 2017 é especial pra mim e um ano de mudanças e renovações), vou relembrar os 9 anos de #megaartesanal, pois estou festejando minha DECIMA participação (em 2017) neste evento mega especial pra todas as apaixonadas por #artesanato #handmade #artesmanuais.
comecei neste mercado artesanal numa mega (em 2007), convidada pela Glitter Indústria - Luciana Camilo e Fernanda Alvarenga Lopes.
fui professora e demonstradora de pinturas variadas e me apaixonei por tudo aquilo... a alegria, a correria, os muitos preparativos, desafios, organizações, técnicas...
uhuuuuuuuuuuuuuuu quem conhece sabe a #delicia e loucura (boa) que é!
com eles fiz revistas, programas de tv, demonstrei produtos em lojas variadas, conheci o "encantamento" do ponto de venda e do contato direto com o publico... hummmm foi um aprendizado e tanto!
temos historias...
em 2007 meu filhotinho tinha acabado de nascer... eu amamentava... e temos até um acontecimento engraçado pra contar (as meninas devem lembrar), pois numa reunião de professoras eu comecei a vazar... e só quem amamenta sabe do que estou falando... rssssssssssssss todas riram e foi assim que conheci a turma linda de artesãs da Glitter... pessoas queridas como a Lucia Luzzi, a Sylvia Oliveira e outras moças talentosas com as quais me relaciono até hj.
valeuuuuuuuuuuuuuuu, Glitter. valeu, meninas.
em 2008 fui convidada também pela empresa Brascola Ltda. para participar da #megaartesanal e, com eles, fiz ótimas parcerias, dei aulas, participei de programas de tv etc e tals. Tenho saudade da Simoninha - querida companheira de trabalho...
então, tenho muito a agradecer, aprendi tannnto (e ainda tenho tanto a aprender) e quero compartilhar estas alegrias e conquistas.
2007 e 2008 foram anos de novas experiencias, contatos, conhecimentos...
#gratidao resume e traduz meus sentimentos.
bjao em todas que fizeram parte desta trajetoria.
vamos que vamos!
#2017recordaçoes #recordaçoescristinetorchia2017






  












venham fazer parte das nossas turminhas:

facebook cristine torchia - https://www.facebook.com/cris.torchia/
facebook fan page ateliê lua azul - https://www.facebook.com/atelie.lua.azul/
instagram cristorchia - http://instagram.com/cristorchia/
pinterest cristorchia - http://www.pinterest.com/cristorchia/
flickr cristorchia - http://www.flickr.com/photos/cristorchia/
twitter @cristorchia - https://twitter.com/cristorchia/
blog ateliê lua azul - http://cristorchia-luaazul.blogspot.com.br/
youtube cristorchia - http://www.youtube.com/user/cristorchia/





terça-feira, 17 de janeiro de 2017

#coraçaoaprendiz - nada é tão facil quanto parece ser, mas vale a luta.

Cristine Torchia (Facebook - perfil pessoal)
sabem, meninas, ando com vontades de falar um pouco mais do ser humano que habita cada um de nós e suas historias surpreendentes?!
as vezes as coisas parecem fáceis, aos olhos dos outros... e percebo que existe uma desconexão e uma falta de entendimento...
eu, por exemplo, venho de uma família muito lutadora.
nada foi fácil. muito pelo contrario.
perdemos os homens provedores muito cedo... tanto na família do meu pai, como da minha mãe.
e falo homens provedores, pois sabemos que eram eles que mantinham as famílias até bem pouco tempo atrás, ne?
portanto, sou de uma família em que mulheres foram grandes guerreiras, tanto na arte de sobreviver, como na arte de criar filhos, sempre dentro da dignidade, mesmo diante de grandes dificuldades (e perdas).
menciono isso, pois percebo em mim essa historia.
vejo que cresci ouvindo relatos... e experiências... e isso me deu a noção da luta árdua... mas que pode ser compensadora, pois nada nos foi dado sem esforço.
desta forma, sempre lutei por minhas vontades e sonhos.
sendo sincera, me perdi em caminhos que me ensinaram e enriqueceram de conhecimentos e experiências... mas naquela época eu ainda não sabia quais eram realmente as minhas paixões...
por isso, estudei, fiz cursos, trabalhei em oportunidades que, naquele momento, me pareceram interessantes. mas fiz sem paixão, devo confessar.
eu não queria ser professora da rede publica de ensino curricular... e nem mesmo da rede particular.
fui por algum tempo... mas, por não gostar, parti pra publicidade, onde surgiu uma ótima oportunidade.
abracei... mas não me apaixonei.
aprendi muito. mas poderia (e hj acho que deveria) ter aprendido muito mais.
como tudo que se faz sem paixão... ao menos no meu caso, parece não prosperar tanto quanto deveria.
num determinado momento, mudei novamente e voltei ao meu mundo de habilidades... aquele que eu sempre tive, desde pequenininha...
fui buscar fazer e vender meus produtos artesanais.
fiz. vendi.
mas ainda não tinha caído a ficha de que fazer é um dom... mas vender é outro e deve ser compreendido como tal.
se esta ficha não caiu na época... veio cair um tempo depois, pois fui vender meus produtos, em outros mercados, com outras técnicas, para outros públicos...
no começo pareceu ótimo, parecia que ia dar bem certo...
mas se vc não se conhece e se não percebe suas fraquezas e forças... perde a possibilidade de ser vencedor, perde o rumo, não se fortalece de verdade.
e desta forma, como as vendas não eram o meu forte, ter loja não era pra dar mega certo. não é?
mudei novamente.
conto um pouco disso tudo pra mostrar que a vida é dinâmica, oferece oportunidades... se vc está na luta e se está em busca...
e eu posso dizer, sem sombra de dúvida, que sou uma buscadora.
por isso, na busca de mim mesma, acabei por me encontrar no mundo artesanal...
como vendedora? não. já tinha dado pra sacar que eu não tinha nascido pra isso. e respeito demais quem tem esse dom. acho-o fantástico. mas não o possuo.
mas como observadora e batalhadora que sou, tive que reconhecer algumas coisas...
adoro ensinar e trocar figurinhas sobre as coisas que amo fazer... portanto, sou professora.
da rede curricular? não. lá os alunos estão por obrigação... e eu gosto mesmo é de ensinar quem está com vontade de aprender... e aprender aquilo que amo fazer... e adoro ensinar – artes manuais.
finalmente, pois estes dons sempre estiveram em mim. um dia eu tive que reconhecer.
e isso me deixa muitoooooooooooo feliz. por isso, luto por fazer e fazer o melhor que posso, sempre que posso.
é fácil? vem de mão beijada?
nãoooooooooooooooo. não vem, não.
falei que a vida era de luta? falei, sim. nada, nunca foi muito fácil. nunca.
e até hj não é.
sou uma profissional autônoma ha quase 25 anos. e ser autônomo significa começar do zero todos os meses... pois nada é garantido.
não temos ferias, decimo terceiro salario, fundo de garantia.
não acordamos sempre na hora que queremos, não trabalhamos somente quando dá vontade, não temos feriados, finais de semana...
se tem trabalho, bora lá fazer acontecer... e lutando, sempre.
é doloroso? árduo? às vezes! mas se vc faz com convicção de que é a sua vocação... e agora tenho esta convicção... então, bora lá fazer e fazer bem cheio de alegria.
não é uma tristeza. é uma alegria.
mas é fácil? não. não é.
é moleza? não. não é.
todo mundo consegue viver da sua vocação?
não sei, não. não é o que percebo... pois vejo as pessoas se perderem no caminho por não perceberem aquelas coisas que citei lá atrás.
quais são suas forças e fraquezas? vc já sabe?
eu ainda estou buscando as minhas... e olha que já conheço algumas... pois, nas batalhas diárias, tive que descobri-las... por bem ou por mal.
já realizei vários sonhos. sempre com luta. como disse: nada, nunca foi muito fácil.
quis conhecer as maiores feiras e empresas de artesanato do pais.
entrei numa mega artesanal.
conversei com 1 pessoa... ela me chamou pra fazer parte da equipe. entrei. ralei muito. aprendi muito.
desci pra terra. sabe? não era glamour. era muito suor. e adorei aprender. sou gratíssima e serei sempre.
lembro constantemente dessa pessoinha, pequenina por fora e uma leoa por dentro. assim a vejo.
fui, dentro da luta, sendo chamada por outras empresas...
foi fácil? não. não foi. sempre houve o obstáculo, a dificuldade, o aprendizado, a batalha e a necessidade de ter garra... pois sem ela parece que não dá...
achei que seria professora... e acabei sendo coordenadora de comunicação e de muitas e queridas professoras... gente variada em talento, jeito, respeito, compreensão, companheirismo, valores...
é fácil? não. não é nada fácil.
lidar com gente é o maior desafio desta vida... eu acho!
ajudei muitos. me decepcionei com vários. pouquíssimas vezes ouvi um “obrigada”. e se ouvi, a maior parte das vezes foi só da boca pra fora... pois as atitudes mostravam outra coisa.
dói? dói, sim. sou de carne e osso e me decepciono. mas venho aprendendo uma lição e tento vivencia-la no fundinho de meu coração aprendiz:
(lição de madre tereza de calcuta)
Muitas vezes, as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.
Perdoe-as, assim mesmo.
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.
Seja gentil, assim mesmo.
Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e inimigos verdadeiros.
Vença, assim mesmo.
Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo.
Seja honesto e franco, assim mesmo.
Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja.
Seja feliz, assim mesmo.
O bem que você faz hoje pode ser esquecido amanhã.
Faça o bem, assim mesmo.
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante,
Dê o melhor de você, assim mesmo.
Veja você que, no final das contas é
Entre Você e Deus e não entre você e os homens.
é facil esta lição? não. não é, não.
mas em alguns raros casos conquistei pessoas impares, companheiras, lutadoras como eu e percebi que a lição é pra lá de valiosa... por isso, compensa e é um grande presente.
nesta jornada, fiz revistas (muitas), programas de tv (vários), dei aulas, participei das melhores e maiores feiras de artesanato do pais (como professora, como artesã, como artista, como coordenadora, como curadora)... e continuo fazendo, devagarzinho, no meu tempo (as vezes mais lento do que eu gostaria, mas no tempo que a vida parece destinar a mim... e eu respeito que assim seja. aprendi que muitas vezes o aprendizado tem o seu tempo... e não posso passar por cima dele).
conheci outras pessoas fantásticas... e algumas delas considero amigas preciosas e queridas. admiro-as o fundo do meu coração. e parece que me admiram tambem.
se não sou amiga de algumas, e nunca se é amigo de todo mundo (apesar de alguns acharem que sim... rssssssss), ao menos me sinto respeitada.
e no mundo profissional isso já é uma conquista e tanto.
é fácil? não. é necessário muito suor... e pouco glamour.
mas, cristine, por que mesmo vc tá contando tudo isso?
porque quero agradecer... mas também abrir os olhos de quem ainda acha que tudo é fácil, rápido, cheio de rosas e alegrias...
quero explicar pra quem tá chegando agora, que quer viver de artesanato, da sua paixão, que nada é fácil, nada é tão rápido, nada é tão tranquilo e cheio de pompa.
tem muita ralação, muita luta, muita batalha, muita, muita, muita coisa a ser feita.
tem estudo. tem aprendizado. tem dedicação! tem suor, tem cansaço.
tem desprestigio... quando vc achava que ia dar tudo certo... e não deu.
tem gente bemmmm traiçoeira. tem, sim. tem em todo lugar.
tem gente que puxa tapete, finge ser o que não é. te desgasta, te aborrece, te enche de tristeza e vontade de desistir. tem, sim. tem em todo lugar.
mas se vc é guerreiro/guerreira como eu, vai chorar, vai se descabelar (eu choro baldes, viu?! sou a fortona por fora e a manteiga derretida por dentro), mas vai sacudir a poeira e dar a volta por cima... pois sempre tem o outro dia, e o outro dia, e o outro dia... e a vida dá muitas voltas.
e nestas voltas, o guerreiro encontra seu novo lugar na luta do eterno aprender e melhorar... e segue em frente.
eu sigo. e sigo aprendendo. e sigo me emocionando. e sigo conquistando um pouquinho aqui, um pouquinho ali. e vou, firme no proposito de ser uma pessoa melhor a cada dia... mesmo quando derrapo, mesmo quando piso em falso, mesmo quando dói bastante, mesmo quando acho que não vou aguentar, mesmo quando acho que vou desistir... mas vem aquela força, aquela vontade, aquele sopro que diz: vai!!! sacode a poeira e segue aprendendo. segue conquistando. segue na luta por ser um ser humano decente. segue sonhando. e segue lutando para conquistar... pois nada é fácil.
será que é fácil para os outros? é claro que me faço esta pergunta. parece sempre tãooooooo mais fácil, ne?
mas conheço um tantinho de bastidores, viu?! e vejo que não, não é fácil pra grande maioria.
mas no Facebook parece tão fácil. rsssssssssssss
é, o Facebook é um mundo de sonhos... kkkk às vezes sonhos de horror, viu?
eu sei que vc sabe que não é verdade... mas eu também sei que vc pensa, ainda assim, como se fosse verdade... e que parece sempre mais fácil pros outros.
mesmo assim, sugiro que faça um exercício diário de dizer pra si mesmo que Facebook é um mundo de ilusão.
faça de conta que está vendo um filme. ok? e no filme... tudo dá certo. mas na vida real não é bem assim. ok?
cristine, ficou confuso este seu texto.
ok. pode ser. mas tambem pode ser que vc pegue um tiquinho aqui, um tiquinho ali... e o que importa mesmo é somente o que for bom pra vc.
se te servir de exemplo... ótimo!
se te servir de alerta... ótimo.
se não te servir. beleza. deleta tudo. esqueça.
se te fizer acreditar em vc, na sua força, na garra e na luta que terá que empreender diariamente em busca dos seus sonhos... maravilha.
lembrando sempre que nada vem facinho. ok?
se te tocar... valeu!
se não significar nadinha de nada. tranquilo.
eu precisava agradecer, compartilhar, mostrar o que penso e sinto... pois algumas vezes transborda... sabe?
então, a minha parte está feita.
e quero te dizer mais uma coisa: o mundo tá meio de pernas pro ar... ne?
mas cabe a vc, a ele, a ela, a esta pessoinha que está aqui abrindo o coração... fazer isso tudo mudar.
é facil? não. não é, não.
mas vamos em frente, com amor e vontade no coração.
ah! se vc chegou até aqui, neste texto, obrigadão! teve paciencia de ler... rssss tomara que tenha valido a pena.
bjaoooooooooooooooo


foto tirada na burdaEXPO 2016 - projeto artesanatoTERAPIA

venham fazer parte das nossas turminhas:

facebook cristine torchia - https://www.facebook.com/cris.torchia/
facebook fan page ateliê lua azul - https://www.facebook.com/atelie.lua.azul/
instagram cristorchia - http://instagram.com/cristorchia/
pinterest cristorchia - http://www.pinterest.com/cristorchia/
flickr cristorchia - http://www.flickr.com/photos/cristorchia/
twitter @cristorchia - https://twitter.com/cristorchia/
blog ateliê lua azul - http://cristorchia-luaazul.blogspot.com.br/
youtube cristorchia - http://www.youtube.com/user/cristorchia/

facebook fan page inspira arte - https://www.facebook.com/inspira.arte.cria.arte/
blog inspira arte - http://inspiraartecriaarte.blogspot.com.br/